Cantor gospel Carlinhos Félix concede entrevista exclusiva ao Gospel Post

Desde sempre eu tenho esse chamado e Deus me escolheu mesmo, como agente canta, 'lá no ventre da minha mãe'.  


Publicado em: 28/05/19 às 13:20 por Micael Batista | Atualizado em 28/05/2019 às 13:25


Saiba como foi a entrevista que o Gospel Post fez com o cantor Carlinhos Félix. Ele falou sobre sua família, sua carreira e sobre o retorna da banda Rebanhão, que é uma das bandas mais importantes no cenário do rock cristão no Brasil.

Confira na íntegra a entrevista com o cantor:

1 – Quando você tomou sua decisão de viver da música, quando você iniciou sua vida profissional na música?

Carlinhos Félix: Eu tomei minha decisão. Eu não tomei decisão nenhuma, já existia um plano de Deus pra minha vida pra isso, desde pequeno, desde 7, 8 anos que eu tenho envolvimento com a música da igreja, sempre tocando nos cultos. Depois eu parti pra estudar mesmo, pra mim esclarecer, pra aprender mesmo, pra não ficar na aquele negocio de tocar de ouvido, porque a pior coisa que tem é quando você vai tocar com o músico, você vai mandar uma partitura, e diz não, eu toco de ouvido, ai é terrível. Porque tem muita gente que é talentosa, que já nasceu com o dom, mas se agente não tiver busca, se agente não tiver estudo, é complicado pra nós, mas a bíblia mesmo diz que muita gente perece por falta de conhecimento, nos temos que conhecer o instrumento que agente gosta de tocar, uma guitarra, um teclado, um baixo, ou cantar mesmo, então é muito importante que agente seja esclarecido e tenhamos conhecimento. Então desde sempre eu tenho esse chamado e Deus me escolheu mesmo, como agente canta, lá no ventre da minha mãe.  

2 – O que você tem a dizer sobre ter feito parte do começo do Rebanhão, fale sobre sua convivência com os integrante na época?

Carlinhos Félix: Pra mim o Rebanhão foi uma escola, foi um presente de Deus pra minha vida. Conhecer Janires foi algo muito especial pra minha vida, Janires foi um irmão, um amigo, um pastor, um professor, com toda simplicidade dele nos ensinou muito, muito mesmo, caminhar principalmente orar, Janires gostava muito de orar. E todo amor que eu tenho pela oração eu aprendi com ele. E a turma do Rebanhão toda eu conhecia todo mundo ali, como eu vim do início, todos que passaram pelo Rebanhão conheci, so quando realmente eu sai do Rebanhão que entrou uma turma nova que muitos eu não tive conhecimento, intimidade então foi muito, mais do inicio mesmo, todos foram meus amigos e são meus amigos até hoje, nós estamos aí de volta, muito felizes por estarmos juntos, cantando e dividindo espaço do altar com a nossa musica, e é muito legal, e agente sente muita falta um do outro, nós somos irmãos, verdadeiramente irmãos.

3 – O que lhe fez sair da banda e começar carreira solo?

Resposta: Então o que me fez sair do Rebanhão foi o tempo que chegou mesmo, tudo tem um tempo, tem um tempo pra todas as coisas, repito o que a bíblia diz. Chegou o meu tempo, tinha que fazer outras coisas e começar um projeto novo alargar as tendas. E eu comecei um trabalho paralelo ao Rebanhão, e que foi muito legal assim, pra minha vida, pro ministério, pro reino de Deus também, Deus tinha um projeto pra minha vida de mim levar pros Estados Unidos pra trabalhar um tempo lá, numa igreja junto com minha família, foi um tempo muito especial pra mim, pra minha família e pros meus filhos. Eu tinha que viver um tempo com minha família, eu tinha que viver um tempo com meus filhos, e esse foi o tempo que Deus me deu, depois de 12 anos que eu convivi, foi o time com o Rebanhão e eu precisava de um tempo com eles, e esse foi tempo que Deus deu pra mim muito especial, e eu coloquei em pratica tudo que e aprendi com a banda, foi muito bacana pra minha vida

4 – De todas as gravadoras que você passou, qual a que mais lhe ajudou em sua carreira? 

Carlinhos Félix: Gravadora rapaz, foi legal sabe, todas que agente passou, cada uma com sua característica, uma bem diferente da outra, e todas que agente conviveu, que agente participou foi muito legal, muito boa, foi muito especial pra gente. Então as gravadoras, todos elas que nós passamos, mesmo na época do Rebanhão e na minha época sozinho, eu passei por todas, o Rebanhão, nós gravamos pela Doce Harmonia, depois fomos pra Warner, depois agente foi pra Arca Musical, depois nós fomos pra Polygram, Gospel Records e depois eu fui pra Warner, depois eu fui pra Line Records, da Line Records eu fui pra MK, da MK eu fui pra Sony Music, da Sony Music eu fui pra Som Livre, da Som Livre eu fiquei com a minha gravadora One Music, então cada uma muito especial, a minha foi boa pra mim, porque eu mesmo trabalhava pra mim e eu sabia das minha necessidades e do que eu precisava e foi muito bom, foi muito especial.

5 – Como foi pra você o retorno do Rebanhão e realizar a gravação do DVD em comemorando 35 anos da banda?

Resposta: O retorno do Rebanhão pra mim foi espetacular, agente estava sonhando com isso, agente estava orando muito a Deus por isso, pra que tudo desse certo, que agente voltasse, que agente se encontrasse, e que agente fizesse um trabalho bem legal pra gente mesmo, pra que agente guardasse isso pra nós, e que agente presenteasse pessoas que acompanharam a gente, que foi tão importante pra nós, tão especial pra nós, e que nós também de alguma forma querendo ser benção na vida desse pessoal, dessa turma toda, que seguiu agente, que ouviu agente, que aceitou a Jesus com agente. Então foi uma realização de um sonho nosso, e uma alegria muito grande, a realização desse trabalho, desse DVD foi inesquecível pra nós e agente ainda tá até hoje vibrando com isso.

6 – Conte-nos um pouco de como é ser um músico cristão e trabalhar com a música no Brasil?

Carlinhos Félix: Trabalhar com música é complicado, eu acho que no Brasil qualquer profissão hoje em dia é difícil, mas eu particularmente eu não tenho como dizer muito como profissional porque eu não vejo o meu trabalho como profissional, eu vejo o meu trabalho mais como ministerial. O meu patrão é Jesus, eu sou ligado diretamente ao ministério da musica da igreja no Brasil. Eu canto nas igrejas , eu ajudo as igrejas, eu não vou pra fazer um show, as vezes sim, uma prefeitura me chama, as vezes eu vou pra festa de uma cidade, as vezes eu vou pra uma festa que acontece por ai que as pessoas chamam agente e agente vai com a banda e toca, então é um pouquinho diferente, mas no todo, no geral eu não me sinto mesmo como um profissional porque todo tempo o meu sustento vem do Senhor, eu vivo o milagre todo mês e são 35 anos vivendo uma vida de milagre com o Senhor, e assim um tempo muito especial, um tempo muito bacana. Mas assim, eu não sou contra quem vive da musica, porque é uma profissão, eu podia até dizer pra você que eu sou um profissional, porque eu estudei musica, fiz conservatório, estudei na escola de música, na Escola Nacional de Música, e todo esse trabalho que aprendi coloquei em prol do ministério juntei ele com o que o Senhor tinha me chamado e agente até montou uma escola de louvor e adoração pra que isso acontecesse, pra que nós pudéssemos ser professores mesmo de turma que tá começando, da turma que tá se dedicando, trabalhando em prol do ministério do reino de Deus através da música.   

7 – Em sua carreira solo e com o Rebanhão, você gravou algumas musicas fazendo críticas a política brasileira como: Palácios, Sol da Justiça e várias outras até da época do Janires, o que você tem à falar sobre o cenário político atual? Podemos esperar alguma música inédita sua sobre esse tema? 

Carlinhos Félix: Agente sempre cantou essas músicas, agente sempre foi meio doido, agente enfrentou muita coisa, muitos desafios como instrumentos que a igreja tradicional não aceitava agente brigou muito por isso, pelas guitarras pela bateira na igreja, então agente sempre foi meio politizado. E cantar Palácios, é porque agente ia muito pra Brasília e via o que acontecia lá dentro do Congresso, agente via o que acontecia com os políticos que convidavam agente pra tocar, agente via como é que era a barganha, como é que era feita a coisa, e nós nunca vendemos o nosso ministério pra poder trabalhar, pra poder participar de evento, nunca, nunca. O cenário é complicado, nós temos que levar a sério, tem gente que brinca demais, fica fazendo piada com o que está acontecendo, sem se tocar com o verdadeiro significado de tudo que agente está vivendo, no mundo espiritual agente está vivendo o pior momento, mas agente vê que o Senhor Jesus já venceu, nos temos a vitória em Jesus, a nossa esperança está no Senhor, a nossa alegria e a nossa fé está no Senhor, e agente crê nisso continuamos crendo e agente tem cantado muita coisa, tem cantado uma música ‘Eu Não posso me Calar’ que é musica meio missionaria, meio política, meio atual do que agente está vivendo, e tem tanta música que fala sobre isso que agente nem se preocupou muito em fazer nada pra esse momento, mas se Deus mandasse agente ia fazer, se Deus desse alguma inspiração nós iríamos criar uma musica assim pra colocar nesse momento. Agente tem tanta coisa que agente fez ontem que vale pra hoje, tem aquela Flash Gordon, ‘quando criança eu sonhei…’, e fala obre isso tudo, e fala que agente sabe pra onde agente vai.  

8 – Fale sobre seus novos projetos, está vindo algum álbum de inéditas?

Carlinhos Félix: Eu não estou gravando nenhum projeto, como um CD com 10 ou 12 músicas, eu tenho feito single. As coisa mudaram muito hoje na parte fonográfica, mudou demais e o que acontece? Você não grava um CD inteiro, você grava single e coloca na plataforma e as plataformas divulgam e depois quando ela passa o tempo da musica na plataforma e assim vai, se você tiver chance de gravar 12 musicas, você tem 12 musicas pra lançar um por mês, se não, de dois em dois meses você lança um, e assim vai de acordo com a tua possibilidade de gravar, eu tenho feito assim. Eu estou lançando agora uma música, estou com outras prontas, é um música chamada ‘Estrelas’ que é da Banda Raízes, uma musica que todo mundo conheceu durante um tempo aí, e essa musica ficou marcado no meu coração e eu sempre tive vontade de gravar fiz um arranjo e gravei. E gravei também ‘Ousado Amor’ com meu filho, que é musica que as igrejas estão cantando e eu sempre tive vontade de cantar com eles e consegui gravar essa musica, é uma musica que ele gosta e eu também gosto muito e vou lança-la. Regarei duas musicas minhas ‘O Meu Monte’, “um dia eu subi no monte…”, e depois eu gravei aquela música, ‘Você Precisa de Deus’ também que é uma musica minha que eu regravei com um arranjo novo, então tá desse jeito, com vocês me trazendo a memória o que me trás esperança. 

9 – Vamos falar de família. Como é conciliar as viagens com os compromissos em casa? Já tem netos?

Carlinhos Félix: Gosto muito de falar de família, minha família é minha base é o meu sustento, eu digo sempre que é bom ir, mas o melhor é voltar. Tenho viajado muito mesmo, como nunca viajei, graças a Deus eu vejo a generosidade de Deus e dos irmãos das igrejas, pastores, sempre me convidando para ministrar, pra ensinar, pra pregar e tem sido um tempo muito legal. Sempre que eu posso levo minha esposa, sempre que posso levo minha esposa e meus filhos, sempre que posso levo só os meus filhos e quando eu posso eu fico em casa com eles e tenho um tempo de qualidade da melhor forma que eu posso pra aproveitar bastante. Tem sido assim, bacana dividir com eles, ver os meus filhos também  crescendo e também ministrando, envolvidos com a música, envolvidos com a igreja. É um legado que nós deixamos isso muito me alegra mesmo. Não tenho netos, tenho três filhos, um de 15, um de 23 e um de 24. Daqui a pouco os netinhos estão chegando por ai.

10 – Conte-nos sobre sua carreira internacional, você tem algum testemunho dessas viagens para fora do país?

Carlinhos Félix: A respeito da minha carreira internacional, gravei um disco nos Estados Unidos, viajo muito pra Europa e tenho muitos amigos, muitas experiências. Quando eu cheguei no Japão eu me lembrei de uma senhora que sempre ia na minha casa ajudar minha mãe quando chovia, agente morava em Bom Sucesso no Rio de Janeiro, e nossa casa era bem do lado de um rio, quando chovia agente perdia quase tudo, e era uma tristeza tremenda, e tinha uma amiga da minha mãe que vinha e ficava olhando pra mim ‘Carlinhos, engraçado, eu olho pra você e fico imaginando você indo pros lugares onde ninguém sabe o que você está falando, e você não sabe o que eles estão falando, e lá você vai e canta tua música e é uma grande benção’. E quando eu cheguei no Japão eu vi justamente isso, as pessoas cantando, falando comigo e eu não entendendo nada, e eu falando com eles e eles não entendo nada, e quando eu comecei a cantar e eles cantaram junto comigo, e sabiam minha música. E eu me lembrei que um dia isso foi falando que ia acontecer na minha vida, eu vejo isso como promessa de Deus se cumprindo na minha vida. Tem muitas outras coisas pra falar, mas eu falarei com tempo numa próxima oportunidade. Deus tem sido sempre Deus, mesmo quando as coisas estão difíceis, quando faltam as coisas, quando agente fica em dificuldade fora no país, Deus continua sendo Deus na nossa vida, e é aquele que nos protege, nos guarda, nos protege, nos guia e nos mostra o caminho, e essa experiencia que tenho tido com  o Senhor, é uma experiência maravilhosa e que tá no livro de Habacuque 3:19, que fala que ele fortalece os nossos pés, nos protege e nos leva a lugares seguros, e eu tenho visto essa benção de Deus na minha vida.

11 – Deixe alguma mensagem para quem vive do mundo ‘Gospel’ no Brasil.   

Carlinhos Félix: A mensagem que eu posso deixar sabe, algo que foi muito importante pra mim, eu deixo como mensagem e não como conselho, pois se conselho fosse bom agente venderia. Hoje tem os coach, minha esposa é coach para mulheres, e pra conversar com ele um tempo você tem que gastar um dinheirinho porque é o tempo dela, então nesse caso é muito importante o conselho de um coach. No meu caso eu não queria deixar um conselho, eu queria deixar uma mensagem. Acho que um músico, cantor, ministro, pastor seja lá quem for que tá ligado ao ministério tem que guardar o coração, não pode ser vaidoso, não pode ser orgulhoso, tem que guardar o coração em todo tempo, guardar o coração porque a vaidade ela precede a derrota e a destruição, o orgulho não leva a lugar nenhum, isso tudo está distante do Senhor, o orgulhoso, o vaidoso, o soberbo, estão distantes do Senhor, e nós precisamos está perto do Senhor. Viver como Jesus, ser como Jesus, Ele é a nossa referência. Se eu puder deixar isso, isso valer de alguma coisa pra você, pra mudar a tua história, pra que você possa romper. De repente as coisas não acontecem você não consegue romper, dá uma olhadinha no teu coração como ele está. Deus abençoe a todos, Deus abençoe a vocês do site, que Deus abençoe a vida de vocês, a família de vocês, e que vocês possam sempre entender, que é tudo por Ele, e para Ele todas as coisas. Beijão no coração de todos, fiquem com Deus. E acompanhem as minhas músicas nas plataformas digitais, agora uma exclusividade, música nova que será lançada agora na Deezer, vocês podem baixar, o nome dela é ‘Estrelas – Carlinhos Felix’, e nas outras plataformas vocês podem encontrar meus outros discos. Deus abençoe, grande abraço fiquem com Deus.




Mais lidas

Mais artigos

Aline Barros fica surpresa pelo público alcançado com o seu novo projeto

Os seguidores da artista gospel estão achando magnifico, e ficaram impressionados


Cantor gospel Carlinhos Félix concede entrevista exclusiva ao Gospel Post

Desde sempre eu tenho esse chamado e Deus me escolheu mesmo, como agente canta, 'lá no ventre da minha mãe'.  


Silas Malafaia quebra o silêncio e rebate as críticas da revista Veja!

A revista Veja! nesse domingo (26) fez uma publicação onde dizia que a bancada evangélica estava com medo de se manifestar sobre as mobilizações de ontem


Juninho Black quebra silêncio e revela verdade sobre seu casamento

O artista gospel após ter negado não está com affair, revelou toda a verdade para o mundo gospel que ainda apostou em um recomeço


Fernanda Brum fala pela primeira vez sobre pacto com o diabo

A cantora gospel e pastora Fernanda Brum, é um dos maiores nomes da música evangélica. Com isso, influencia muitas pessoas


Tronco cai sobre automóvel de pastor e causa grave acidente

O acidente entretanto, aconteceu em Carolina do Norte, envolvendo o pastor de uma igreja local.


Igreja Universal realiza feito histórico e fiéis comemoram

O fato se tratou de um casamento simultâneo que segundo a estimativa, uniu  10.784 casais


Malafaia fala sobre deputados que voltaram contra a COAF; ‘rabo preso’

No entanto, a sua indignação dessa vez, tratou-se sobre os parlamentares da bancada evangélica que voltaram contra a COAF


Pastor é morto a tiros a mando de traficantes e família se desespera

O pastor João Auzier Neto, de 65 anos foi assassinado com pelo menos três tiros. O caso aconteceu no bairro Nova Esperança localizado em Manaus-AM


Presidente toma decisão inesperada e cristãos se entristecem

As expectativas da maioria dos católicos não foram atendidas, pois recentemente o presidente havia dito que iria consagrar o país a Nossa Senhora